A Lufthansa vende 40 aeronaves e fecha uma subsidiária

por AFP

A Lufthansa alemã anunciou hoje que será destacada de 40 aeronaves e fechará as subsidiárias de baixo custo Germanwings.
Anúncios de
“Meses passarão até que as restrições e o ano globais até a demanda global por viagens aéreas retornem aos níveis antes da crise”, a empresa justificada em uma declaração oficial. De acordo com o que foi coletado pela agência AFP, o objetivo final da decisão é “permitir um máximo de funcionários afetados pela reestruturação” para preservar seu uso “dentro do grupo”.

Leia mais: O PIB da América Latina cairia -4,6% até 2020, diz o Banco Mundial, o Grupo decidiu reduzir sua frota de 763 unidades com a venda de cerca de 40 aeronaves, que acabará afetando quase todas as operações de grupo. A maioria das reduções da frota ocorrerá na bandeira da Lufthansa, e incluirá a eliminação de 11 aeronaves Airbus A320, cinco Boeing 747-400 e sete A340-600. Os sindicatos alemães que representam a tripulação da cabine pediram às cabeças da Lufthansa Em uma carta aberta na segunda-feira que eles não iriam “sacrificar” a unidade Germanwings de Colônia, que emprega cerca de 1400 pessoas. Lufthansa já anunciou na semana passada que estava colocando 87.000 trabalhadores – mais 60% da sua força de trabalho. planos apoiados pelo governo de Angela Merkel. A maioria deles são funcionários alemães.
em torno de 700 de aeronaves da Lufthansa estão em terra neste momento como resultado do surto de coronavírus, e a ocupação de seus assentos é de apenas 5% do seu conselho habitual de vôo. O executivo Diretor, Carsten Spohr, alertou no mês passado que “quanto mais dessa crise, mais provável é que o futuro da aviação sem auxílio estatal não possa ser garantido”. De acordo com o executivo, o plano de voo do grupo foi reduzido a níveis não vistos desde a década de 1950.
A visão da empresa alemã sobre o difícil processo de recuperação do setor de transporte aéreo após a crise do coronavírus, com o diagnóstico de A International Air Transport Association (IATA), que hoje insistiu que o apoio dos diferentes governos nacionais será fundamental.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *